LinkConcursos.com.br > Concursos > Ponto Comercial a Ação Renovatória e as Exceções de Retomadas

Ponto Comercial a Ação Renovatória e as Exceções de Retomadas

O ponto comercial é um elemento importante para o exercício da atividade comercial. Apesar do conceito de estabelecimento Empresarial ser muito mais amplo que o simples ponto comercial o legislador sabe que  muito do sucesso empresarial se deve ao ponto comercial e sua localização e por esse motivo houve recursos legais criados para resguardar o empresário nesse ponto.

A lei 8.245/91 trata da Ação Renovatória  que possibilita o locatário renovar o Contrato de Locação ainda que o Locador, ou seja o proprietário do imóvel, se negue a renovar. A Ação renovatória será possível desde que esteja preenchido os requisitos exigidos do artigo 51 da lei 8.245/91 que diz:

Art. 51. Nas locações de imóveis destinados ao comércio, o locatário terá direito a renovação do contrato, por igual prazo, desde que, cumulativamente:

I – o contrato a renovar tenha sido celebrado por escrito e com prazo determinado;

II – o prazo mínimo do contrato a renovar ou a soma dos prazos ininterruptos dos contratos escritos seja de cinco anos;

III – o locatário esteja explorando seu comércio, no mesmo ramo, pelo prazo mínimo e ininterrupto de três anos.

§ 1º O direito assegurado neste artigo poderá ser exercido pelos cessionários ou sucessores da locação; no caso de sublocação total do imóvel, o direito a renovação somente poderá ser exercido pelo sublocatário.

§ 2º Quando o contrato autorizar que o locatário utilize o imóvel para as atividades de sociedade de que faça parte e que a esta passe a pertencer o fundo de comércio, o direito a renovação poderá ser exercido pelo locatário ou pela sociedade.

§ 3º Dissolvida a sociedade comercial por morte de um dos sócios, o sócio sobrevivente fica sub – rogado no direito a renovação, desde que continue no mesmo ramo.

§ 4º O direito a renovação do contrato estende – se às locações celebradas por indústrias e sociedades civis com fim lucrativo, regularmente constituídas, desde que ocorrentes os pressupostos previstos neste artigo.

§ 5º Do direito a renovação decai aquele que não propuser a ação no interregno de um ano, no máximo, até seis meses, no mínimo, anteriores à data da finalização do prazo do contrato em vigor.

Veja que o artigo 51 da lei 8.245 de 1991 a lei do inquilinato exige algumas condições para aplicar a ação Renovatória que são:

  1. Contrato deve ser escrito com prazo determinado;
  2. Contrato deve representar um prazo mínimo de 5 anos ou pode ter sido celebrado vários contratos com prazo mínimo de 5 anos;
  3. Deve haver um prazo mínimo de 3 anos de exercício da mesma atividade.

Exceções a Ação Renovatória de Contrato de Aluguel de Ponto Comercial ( Exceções de Retomada)

No entanto, há exceções as regras que possibilitam o ingresso da Ação Renovatória pelo locatário sendo essas chamadas de Exceções de Retomadas  que  são razões passíveis de apresentação pelo locador para que ele não renove o contrato de locação do locatário empresário. Os motivos que podem ser utilizados para justificar as exceções de retomadas estão previstas nos artigos §§ 52 e 72 da lei de inquilinato, vejamos o que diz a lei:

Art. 52. O locador não estará obrigado a renovar o contrato se:

I – por determinação do Poder Público, tiver que realizar no imóvel obras que importarem na sua radical transformação; ou para fazer modificações de tal natureza que aumente o valor do negócio ou da propriedade;

II – o imóvel vier a ser utilizado por ele próprio ou para transferência de fundo de comércio existente há mais de um ano, sendo detentor da maioria do capital o locador, seu cônjuge, ascendente ou descendente.

1º Na hipótese do inciso II, o imóvel não poderá ser destinado ao uso do mesmo ramo do locatário, salvo se a locação também envolvia o fundo de comércio, com as instalações e pertences.

2º Nas locações de espaço em shopping centers , o locador não poderá recusar a renovação do contrato com fundamento no inciso II deste artigo.

3º O locatário terá direito a indenização para ressarcimento dos prejuízos e dos lucros cessantes que tiver que arcar com mudança, perda do lugar e desvalorização do fundo de comércio, se a renovação não ocorrer em razão de proposta de terceiro, em melhores condições, ou se o locador, no prazo de três meses da entrega do imóvel, não der o destino alegado ou não iniciar as obras determinadas pelo Poder Público ou que declarou pretender realizar.

(…..)

Art. 72. A contestação do locador, além da defesa de direito que possa caber, ficará adstrita, quanto à matéria de fato, ao seguinte:

I – não preencher o autor os requisitos estabelecidos nesta lei;

II – não atender, a proposta do locatário, o valor locativo real do imóvel na época da renovação, excluída a valorização trazida por aquele ao ponto ou lugar;

III – ter proposta de terceiro para a locação, em condições melhores;

IV – não estar obrigado a renovar a locação (incisos I e II do art. 52).

1° No caso do inciso II, o locador deverá apresentar, em contraproposta, as condições de locação que repute compatíveis com o valor locativo real e atual do imóvel.

2° No caso do inciso III, o locador deverá juntar prova documental da proposta do terceiro, subscrita por este e por duas testemunhas, com clara indicação do ramo a ser explorado, que não poderá ser o mesmo do locatário. Nessa hipótese, o locatário poderá, em réplica, aceitar tais condições para obter a renovação pretendida.

3° No caso do inciso I do art. 52, a contestação deverá trazer prova da determinação do Poder Público ou relatório pormenorizado das obras a serem realizadas e da estimativa de valorização que sofrerá o imóvel, assinado por engenheiro devidamente habilitado.

4° Na contestação, o locador, ou sublocador, poderá pedir, ainda, a fixação de aluguel provisório, para vigorar a partir do primeiro mês do prazo do contrato a ser renovado, não excedente a oitenta por cento do pedido, desde que apresentados elementos hábeis para aferição do justo valor do aluguel.

5° Se pedido pelo locador, ou sublocador, a sentença poderá estabelecer periodicidade de reajustamento do aluguel diversa daquela prevista no contrato renovando, bem como adotar outro indexador para reajustamento do aluguel.

Assim,  mesmo que o legislador tenha buscado defender o empresário quanto a utilização de seu ponto comercial para exercício da atividade econômica empresarial pode haver exceções que impossibilitam a Ação Renovatória.

Termos Relacionados:

Publicado em Concursos