LinkConcursos.com.br > Área de estudo > Português > Quando a Crase (Acento Grave) é Facultativa

Quando a Crase (Acento Grave) é Facultativa

Existem algumas situações, nas normas sobre a crase, que tornam esse fenômeno sintático opcional, quanto ao seu uso. Procuramos sintetizar quais são estes momentos aqui.

Bom, a crase torna-se facultativa, gramaticalmente falando, diante dos nomes próprios femininos e após a preposição “até que antecede substantivos femininos.

No caso do “até” exige-se que o termo antecedente seja a preposição “a“. Ou seja há a necessidade da regência do verbo ou do nome exigir a preposição “a”. Lembre-se da regra de transitividade do verbo Ex: Quem envia, envia algo a  alguém.

Exemplo:

  • Enviei as rosas a Marcela. → Marcela: nome próprio feminino → crase facultativa
  • Enviei as rosas à Marcela. → Marcela: nome próprio feminino → crase facultativa

Outro exemplo:

  • Vou até a escola. → Até: preposição → crase é facultativa
  • Vou até à escola.→ Até: preposição → crase é facultativa

No entanto, devemos-se destacar que não irá ocorrer crase se o nome da pessoa for usado em situação formal, ou se tratar de personalidade pública.

O uso do artigo antes do nome indica que a pessoa da qual se fala (ou se escreve) possui uma relação próxima com o narrador (ou autor). Já sem o artigo ocorre o inverso, indicando um distânciamento.

Exempo:

  • Fez referências a Madona. → Não se usa crase.

Assim podemos dizer que, apesar do uso da crase ser facultativo nas situações expostas anteriormente, tal faculdade só é plausível no contexto gramatical.  No contexto semântico a coisa muda. Ou seja, a frase com crase tem um significado diferente da que não possui crase, mesmo havendo a possibilidade de se optar entre o uso ou não da crase em uma frase.

Assim usando o mesmo exemplo da Madona podemos escrever com crase: “Fez referências à Madona”. Tal fase indicaria que a pessoa que fez referência a Madona era próxima dela.

Já a mesma frase sem crase, como já dissemos, indica distânciamento, ou seja, é como se você tivesse feito a referência a Madona, ao qual você sabe quem, mas não possui uma relação próxima.

Outra situação em que a crase se torna facultativa é diante pronomes possessivos em que o uso do artigo definido é optativo.

Exemplo:

  • Refiro-me a minha mãe. → Minha: pronome possessivo → Crase é facultativa.
  • Refiro-me à minha mãe.→ Minha pronome possessivo→ Crase é facultativa.

Enfim, procuramos oferecer tal regra com objetividade aos nossos leitores se você está com dúvidas ainda ou possui alguma suges~tão de melhoria ao texto, mande seu comentário.

Termos Relacionados:

Publicado em Português