LinkConcursos.com.br > Área de estudo > Português > Regras Especiais de Concordância Nominal

Regras Especiais de Concordância Nominal

Há no português diversas concordâncias nominais dispersas que precisam ser decoradas pelos alunos que pretendem enfrentar um certame público, vestibulares ou ENEM. É importante ter em mente quais são essas possibilidades de concordância para que os termo sejam bem colocados em nossas frases e para que haja possibilidade de acertarmos questões que são necessárias em contexto de prova.

Vejamos agora algumas dessas sentenças que possuem concordância nominal de grande valia para provas de concurso:

1º) Pronomes demonstrativos: “Mesmo” / “Próprio” – São pronomes demonstrativos de reforço para substantivos e pronomes retos, portanto concordam com o termo a que se referem em gênero e número, vejamos exemplos:

  • As portas se fecham por si mesmas. (pronome concorda com o núcleo a que se refere “portas” = substantivo feminino no plural, então “mesmas” será no feminino plural)
  • Eles próprios fizeram a reclamação. (pronome “mesmo” concorda com o pronome reto “eles”, portanto deve estar no plural masculino);

2º) Leso e Quite – São termos adjetivos que concordam em gênero e número com o termo a que se referem, por exemplo:

  • Foi uma atitude de lesa-pátria, um ato de leso-patriotismo. (adjetivos concordam, respectivamente, com: Atitude e Ato que são os substantivos que regulam a concordância);
  • Depois do acordo, os dois ficaram quites. (quite concorda com “os dois”);
  • Maria está quite com joão. (concorda com Maria).

3º) Menos – é sempre masculino, sendo advérbio ou pronome, nessas condições não há variação do termo quanto à concordância.

  • Era menos bonita do que você. (advérbio)
  • Existiam menos pessoas ali. (pronome)

Não existe “menas”, é sempre menos, mesmo que seja pronome o termo será invariável, logo não há feminino sendo sempre masculino.

4º) Alerta – sempre invariável, pois é advérbio de modo, significando a redução da locução “em estado de alerta” ou “em alerta”. A locução adverbial de alerta seria “em estado de alerta”, mas por economia linguística utiliza-se alerta. O termo sempre será no singular e sempre terminado em “a”.

Ressalta-se que é muito fácil confundir Alerta como adjetivo e, portanto,  variando o termo quando, na verdade, ele é sempre advérbio não sendo passível de variar assim fica:

  • Os soldados estão alertas. (errado);
  • Os soldados estão alerta. (certo – Os saldados estão em alerta).

5º) Anexo – é adjetivo e concorda com o termo a que se refere, ou seja, sendo adjetivo o termo irá variar em gênero e número, vejamos exemplos:

  • Vão anexos um recibo e uma certidão.
  • Vai anexo um recibo e uma certidão.

Diferentemente de Alerta, que a maior parte da população considera o termo como adjetivo, o erro do termo “anexo” é considerá-lo advérbio, ou seja, há uma inversão de funções entre os dois termos quanto à função morfológica pela população em geral. O correto é “segue anexo” e não “em anexo”, pois não trata-se de advérbio, assim devemos dizer:

  • Segue anexo o arquivo neste e-mail. (é errado: Segue em anexo o arquivo neste e-mail);

6º) Todo – quando o pronome todo corresponder a totalmente, concordará em gênero e número, embora seja equivalente a um advérbio. Vejamos um exemplo:

  • A equipe jogava toda de branco.
  • As meninas jogavam todas de branco.

Veja que o “toda” equivale a dizer totalmente, ou seja, é pronome que irá equivaler à advérbio sendo uma derivação imprópria. Embora tenha sentido adverbial o “toda” é pronome e, portanto, irá variar.

7º) Só – o termo “só” pode significar “Somente /Apenas” ou “Sozinho”.

  • = “Somente ou apenas” – é advérbio, portanto, acompanha o verbo e é invariável, logo:
    • Eles compraram o necessário.
  • = “Sozinho” – é adjetivo e varia segundo o termo núcleo, logo:
    • Eles jamais ficarão sós.
    • Ele ficou .

O advérbio “a sós” existe na norma culta, então a expressão “eles ficaram a sós”, está certa, mas destaca-se que o termo não possui o significado de “se sentir sozinho” esse termo diz que os indivíduos ficaram afastado de outros.

8º) Obrigado – é termo adjetivo e concorda com o substantivo a que se refere; equivale ao adjetivo grato e as mesmas variações que ocorrem nesse ocorrerá com aquele. Assim se há grato/grata/gratos/gratas também haverá obrigado/obrigada/obrigados/obrigadas.

O Plural de “obrigado” é pouco utilizado em nosso cotidiano, mas ele existe e há a possibilidade de utilizá-lo. Vejamos alguns exemplos:

  • Muito obrigado, falou José.
  • Muito obrigada, falou Maria.
  • Muitos obrigados, falou Maria e José.

9º) É bom, é necessário, é preciso, é permitido, é proibido, etc – Quando o sujeito dessas expressões estiver determinado pelo artigo ou por qualquer determinante, a concordância será feita com o artigo ou o outro determinante que o acompanha. Se, entretanto, não existe determinante algum, com o artigo, a expressão ficará invariável no masculino singular. Vejamos um exemplo:

  • É proibida a entrada . (sujeito = entrada, como está com artigo e “proibido” está com o verbo de ligação, então haverá concordância com o artigo)
  • É proibido entrada. (sujeito = entrada, como está sem artigo e proibido está com verbo de ligação não haverá concordância de proibido com o sujeito).

Veja que a concordância não será feita com o predicativo e sim com  o determinante (artigo ou outro termo que determina o predicativo), assim dissemos:

  • Água é bom para a saúde./ Água é mal para saúde. (concordância com o substantivo)
  • A água é boa para saúde. / A água é má para saúde. (concordância com o artigo)

8º) Possível – a concordância far-se-á com o artigo que compõe a expressão “o/a mais, o/a menos, o/a maior, o/a menor, o/a melhor, o/a pior”. Vejamos alguns exemplos:

  • Cadernos o mais limpos possível.
  • Cadernos os mais limpos possíveis.

Veja que é “o mais possível” / “os mais possíveis” o artigo é o determinante da concordância para o substantivo possível.

9º) Bastante – é um termo que poderá assumir três morfologias advérbio, adjetivo ou pronome, apesar disso há duas possibilidades de concordância para o termo, vejamos:

A) Bastante – quando pronome indefinido ou adjetivo ele irá variar quanto a concordância segundo o núcleo. Ele indicará “suficiente” quando for adjetivo e logo após ele virá um substantivo com quem deve concordar. Já com pronome indefinido irá expressar qualidade ou quantidades indefinidas aparecendo na frase com substantivos e com eles concordará em número.

  • Ele falava bastantes besteiras (= muitas besteiras – pronome indefinido).
  • Havia bastantes livros (= muitos livros – pronome indefinido) na sala.
  • Há bastantes objetos (suficientes objetos – adjetivo) no quarto.

A concordância com o bastante sendo pronome ou adjetivo seguem as mesmas ordem, portanto, não há como confundi-las.

B) Bastante – é advérbio de intensidade e fica invariável quanto  a concordância quando assumir essa função, sendo que é a utilização mais comum no português pra o termo, veja um exemplo:

  • Ele falava bastante (= muito).
  • As meninas estavam bastante satisfeitas (=muito).

Veja que a expressão bastante quando vier a ser advérbio será invariável, virá qualificando um verbo, outro advérbio ou adjetivo, e irá seguir a mesma lógica do termo “muito” quando indica intensidade que só assumira a forma no singular.

O termo bastante pode ser substituído por “muito”, quando irá concordar segundo a mesma regra do pronome indefinido ou não irá variar quando for adverbio de intensidade. Destaca-se que o uso desse termo como adjetivo indicando suficiente é pouco comum.

Resumindo: Bastante como advérbio de intensidade (falava muito) não irá variar e como pronome indefinido (falava bastantes besteiras) irá variar.

10º) A olhos vistos – é locução adverbial de modo e fica invariável quanto a concordância, quando a expressão equivale à “de forma clara, evidente”.

  • As crianças crescem a olhos vistos.

A locução “olhos vistos” é fechada e não possui variação ficando sempre no masculino plural e não havendo variação.

 

 

 

 

Termos Relacionados:

Publicado em Português